Juros dos depósitos em mínimos. Bancos dão dez vezes menos que a inflação

Juros dos depósitos em mínimos. Bancos dão dez vezes menos que a inflação

Mês após mês, os juros oferecidos pelos bancos nas aplicações a prazo caem. A dimensão da descida já não impressiona, mas a taxa sim. Está dez vezes abaixo da inflação esperada para 2019.

Poupar? Cada vez mais, os portugueses estão a preferir gastar. Gastam as poupanças, mas também mais o dinheiro que não têm — prova disso são os recordes no crédito, seja à habitação, seja ao consumo. E uma das razões para não estarem a amealhar é a baixa atratividade dos juros oferecidos no produto preferido — os depósitos a prazo. Mês após mês, os juros oferecidos pelos bancos renovam mínimos, estando já dez vezes abaixo daquela que é a taxa de inflação estimada para o próximo ano.

Julho voltou a ser um mês de queda nas taxas oferecidas pelas instituições financeiras às novas operações de depósito. De acordo com os dados do Banco Central Europeu (BCE), o juro médio praticado pelos bancos na aplicação de novos montantes a prazo encolheu de 0,16% em junho para os 0,15% no mês seguinte. É, novamente, um recorde, sendo a taxa mais baixa de um histórico cujo início remonta a janeiro de 2000.

A explicação para este nível mínimo histórico dos juros praticados pelos bancos é simples: o BCE, apesar de ter agendado para este ano o fim do programa de estímulos à Zona Euro, nomeadamente a compra de dívida soberana e de empresas, continua com uma política monetária extremamente expansionista. Resultado? Com a taxa diretora em 0%, mas principalmente a taxa de depósitos em -0,4%, as Euribor mantêm-se negativas. Assim, os juros pagos pelos bancos aos seus clientes mantêm-se sob pressão.

Os bancos nacionais estão, no entanto, a pagar bem menos do que a média da Zona Euro, numa altura em que procuram diminuir ao máximo os encargos com o financiamento para conseguirem aumentar as margens nos financiamentos — ao mesmo tempo que aumentam as receitas com comissões.

A taxa média destas novas aplicações há muito que está bem abaixo daquela que é a taxa de inflação. Mas em julho agravou-se a tendência, levando a que os juros que são auferidos pelos depositantes representam apenas um décimo daquele que é o aumento do custo de vida estimado para o próximo ano. O Banco de Portugal aponta para uma inflação de 1,4% este ano, mas de 1,5% em 2019.

A tradução destas diferentes taxas é a de que aquilo que as poupanças aplicadas vão render na maturidade — a maioria das aplicações tende a ter um prazo de um ano — não compensa o aumento do custo de vida. Por vezes, pode nem compensar as comissões cobradas pelos bancos pelo simples facto de se ter uma conta aberta.

Consulte aqui as soluções financeiras da Seguris !

Deixe uma resposta